Warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php on line 112

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php:112) in /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php on line 121

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php:112) in /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php on line 122

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php:112) in /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php on line 123

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php:112) in /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php on line 125

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php:112) in /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php on line 130

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php:112) in /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php on line 131

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php:112) in /home/ifpiparn/public_html/administrator/components/com_docman/classes/DOCMAN_file.class.php on line 132
ࡱ> q`ubjbjqPqP;::%S , 18|?Nt\("~kd;N=N=N=N=N=N=N$0PhRaN 'aN vN ;N;N> @ CP cALE N0NA TS<TSCCTS Dl0"aNaNN???dgtD%???t dH (    CURSO TCNICO EM ADMINISTRAO DISCIPLINA: ROTINAS DE OPERAES EM TESOURARIA CARGA HORRIA: 40 H/A Prof.: Adm. Esp. Incio Jnior Sumrio  TOC \o "1-3" FINANAS 03 ADMINISTRAO FINANCEIRA 03 CONTROLE DE CONTAS A PAGAR 04 CONTROLE DE CONTAS A RECEBER 04 REGISTRO DIRIO DE CAIXA 04 CONTROLE DE ESTOQUES 04 CONTROLE DA MOVIMENTAO BANCRIA 05 FLUXO DE CAIXA 05 O BALANO PATRIMONIAL 05 A DEMONSTRAO DE RESULTADOS 06 IMPOSTOS 06 APURAO DE RESULTADOS 06 PONTO DE EQUILBRIO 07 ANLISE DE SENSIBILIDADE 08 AVALIAO PATRIMONIAL 08 RENTABILIDADE 09 CAPITAL DE GIRO 09 ANLISE DAS DEMONSTRAES FINANCEIRAS 11 DEMONSTRAES FINANCEIRA PADRONIZADAS 11 ANLISE DE NDICES 11 A IDENTIDADE DU PONT 13 CRESCIMENTO INTERNO e SUSTENTVEL 14 USANDO INFORMAES DA DEMONSTRAO FINANCEIRA 14 PLANEJAMENTO E CONTROLES FINANCEIROS EM 7 PASSOS: 15 DEMONSTRAO DO FLUXO DE CAIXA 19 ELABORAO DO FLUXO 20 AS PRINCIPAIS TRANSAES QUE AFETAM O CAIXA 20 TERMOS CHAVE e CONCEITOS 21 BIBLIOGRAFIA 22  TOC \o "1-3"  FINANAS A rea de finanas ampla e dinmica. Afeta diretamente a vida de todas as pessoas e todas as organizaes, financeiras ou no financeiras, privadas ou pblicas, grandes ou pequenas, com ou sem fins lucrativos. Podemos definir finanas como a arte e a cincia de administrar fundos. Praticamente todos os indivduos e organizaes obtm receitas ou levantam fundos, gastam ou investem. As Finanas ocupam-se do processo, instituies, mercados e instrumentos envolvidos na transferncia de fundos entre pessoas, empresas e governos. As principais reas de finanas podem ser visualizadas por meio de uma reviso das oportunidades de carreira nesse campo. Essas oportunidades podem, para facilitar, ser divididas em duas amplas partes: servios financeiros e Administrao Financeira. Servios Financeiros: a rea de Finanas voltada concepo e prestao de acessria, tanto quanto entrega de produtos financeiros a indivduos, empresas e governo. Isso envolve uma amplitude de interessantes oportunidades de carreira nas reas de bancos e de instituies correlatas, de planejamento das finanas pessoais, de investimentos, de bens imveis e de seguros. Administrao Financeira: diz respeito s responsabilidades do administrador financeiro numa empresa. Os administradores financeiros administram ativamente as finanas de todos os tipos de empresas, financeiras ou no financeiras, privadas ou pblicas, grandes ou pequenas, com ou sem fins lucrativos. Eles desempenham uma variedade de tarefas, tais como oramentos, previses financeiras, administrao do caixa, administrao do crdito, anlise de investimentos e captao de fundos. Nos ltimos anos, as mudanas no ambiente econmico e regulatrio elevaram a importncia e a complexidade das responsabilidades do administrador financeiro. Como resultado, muitos altos executivos da indstria e do governo provm da rea financeira. Outra importante tendncia recente tem sido a globalizao das atividades empresariais. As grandes companhias norte-americanas tm aumentado dramaticamente suas vendas e investimentos em outros pases, enquanto que empresas estrangeiras tm aumentado suas vendas e seus investimentos diretos nos Estados Unidos. Essas mudanas criaram a necessidade de administradores financeiros capazes de administrar fluxos de caixa nomeados em diferentes moedas, alm de proteg-los dos riscos poltico e cambial que naturalmente emergem das transaes internacionais. Embora essas necessidades tornem as funes do administrador financeiro mais exigentes e complexas, podem propiciar carreiras mais recompensadoras e interessantes. ADMINISTRAO FINANCEIRA Administrar os recursos financeiros de uma empresa uma das mais importantes atividades que o empresrio tem no seu dia-a-dia. O objetivo dessa funo a obteno de lucro nas atividades das empresas, pois se isso no ocorrer todas as outras funes estaro comprometidas. Mas para que possamos obter lucro para remunerar nosso investimento, devemos tomar decises importantes relativas a: concesso de crdito aos clientes; formao do preo de venda; emprstimos e outras captaes de recursos; controle de custos; aplicao de recursos; Tambm importante analisar : o lucro mnimo a ser obtido; o volume mnimo a ser vendido; Para realizar estes controles algumas empresas j tm implantado e esto usando os chamados controles financeiros bsicos, ou seja: controle de registro dirio de caixa; controle de movimentao bancria; Contas a pagar; Contas a receber e Controle de estoques. Esses controles bsicos vo fornecer as informaes necessrias para voc poder utilizar os instrumentos de gerncia financeira, ou seja: Anlise do capital de giro; Fluxo de caixa; Apurao de resultados; CONTROLE DE CONTAS A PAGAR Permite ao dirigente da empresa uma visualizao global dos compromissos assumidos pela empresa, permitindo acompanhar os pagamentos a serem efetuados em determinado perodo. Tambm serve para avaliar as oportunidades de assumir melhores compromissos, de maneira a no centralizar muitos pagamentos em determinadas datas. O ideal que essa organizao seja feita ms-a-ms. CONTROLE DE CONTAS A RECEBER Este controle exige que as vendas a prazo do dia e os recebimentos sejam oportunamente informados aos responsveis pelo seu preenchimento. Os lanamentos das vendas a prazo devem ser realizados conforme o ms de vencimento, e as baixas, de acordo com os recebimentos. REGISTRO DIRIO DE CAIXA Constitui-se de uma seqncia de gastos e recebimentos efetuados durante um determinado perodo. Um investimento de capital caracterizado por um determinado gasto inicial e um fluxo de recebimentos futuros. CONTROLE DE ESTOQUES Os estoques podem formar uma elevada parcela dos ativos totais da empresa. Formam um elo entre as etapas de aquisio e venda (empresas comerciais) e as de aquisio, transformao e venda (empresas industriais). importante que com o tempo exista a manuteno dos estoques. Financeiramente, o objetivo em relao ao estoque deve ser de minimizar o seu montante, pois, apesar dos benefcios indicados, em nveis mais elevados o estoque pode comprometer a rentabilidade geral da empresa, inclusive com custos adicionais decorrentes de sua manuteno. Por isso necessrio que a empresa tenha um controle que evite: a existncia de estoques inadequados que podem gerar paralisaes e perdas de vendas; a existncia de estoques excessivos que levam a empresa a ter custos elevados de armazenagem, riscos de obsolescncia, etc. Em informtica, o mercado evolui muito rpido, por isso um estoque elevado pode facilmente ficar obsoleto e no conseguir vender seus equipamentos. CONTROLE DA MOVIMENTAO BANCRIA de fcil implementao e proporciona ao dirigente condies de acompanhar e efetuar conciliaes entre constas bancrias, verificando se as entras e sadas so pertencentes empresa. O controle das contas de banco individual, ou seja, nos caso de duas ou mais contas correntes, dever ser adotado um controle para cada conta. FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa uma ferramenta de Administrao financeira que proporciona uma viso futura de como estar o caixa da empresa em um determinado perodo. Sabendo antecipadamente se faltar ou sobrar dinheiro nos d condies de tomar decises antecipadas e com grandes probabilidades de acerto. Na verdade, basta que disponhamos das informaes referentes ao contas a pagar e ao contas a receber, projetando a seguir aquelas cujos valores desconhecemos, mas sabemos que iro ocorrer. Exemplo de um fluxo de Caixa Descrio1 Quinz.2 Quinz.a) Saldo Inicial350,009,00b) Entradas (vendas a vista, recebimentos, outros)18.250,0019.350,00c) Sadas (Pagamentos de fornecedores, retirada de scios, salrios, encargos sociais, comisses, fretes e embalagens, impostos e taxas, despesas com bancos, despesas administrativas, pagamentos de emprstimos, outros)26.091,0013.375,00d) Saldo do perodo ((a+b)-c)-7.491,005.984,00e) Necessidade de financiamentos7.500,000,00S analisando o fluxo de caixa, no possvel afirmar se a empresa obtm lucro ou no. Para isso, deve ser efetuada a apurao de resultados. O BALANO PATRIMONIAL O balano patrimonial um instantneo fotogrfico do valor contbil de uma empresa numa data em particular. Os ativos esto listados no lado esquerdo, e os passivos e patrimnio lquido dos acionistas no lado direito. Ativos: O Lado Esquerdo Os Ativos so as coisas que empresa possui - dinheiro, ttulos comercializveis, maquinrios, etc. Os ativos podem ser tangveis (p.ex., maquinrio) ou intangveis (p.ex., aluguis pagos adiantadamente). Passivos, e Patrimnio Lquido dos Acionistas: Passivos so quantias ganhas dos outros pela empresa ttulos a pagar, dvidas de longo prazo, etc. O patrimnio lquido dos proprietrios (o qual a mesma coisa que patrimnio lquido dos acionistas) a diferena entre ativos totais e passivos totais. Por definio, Ativos = Passivos + Patrimnio Lquido dos Acionistas. Isto, claro, a equao do balano patrimonial familiar da contabilidade. Capital de giro lquido Capital de giro lquido a diferena entre os ativos circulantes da empresa e os seus passivos circulantes. O capital de giro lquido pode ser positivo ou negativo, mas usualmente positivo numa empresa saudvel, pois ele indica que mais dinheiro estar disponvel do que ser pago durante o prximo ano. Liquidez A liquidez de um ativo medida pela velocidade com que ele pode ser convertido em dinheiro sem perda significativo do valor. (Nota: a maioria das pessoas se lembra da primeira parte da definio, mas esquece a segunda parte!) Liquidez valiosa porque ela aumenta a habilidade da empresa em adequar as obrigaes de curto prazo. Mas, h um comrcio de trocas entre liquidez e retornos potenciais compulsrios. Dbitos versus Patrimnio Lquido Os passivos representam as obrigaes para reembolsarem o principal e os juros aos credores num instante especfico. Em contraste, patrimnio lquido dos proprietrios so designados somente aos fluxos de caixa residual e aos ativos; isto , a poro que permanece aps os credores declararem-se satisfeitos. Valor de Mercado versus Valor Contbil Os valores dos ativos no balano patrimonial da empresa (valores contbeis), geralmente no indicam o valor real do ativo, ou valores de mercado. Valor de mercado o valor relevante para as decises financeiras, porque o valor de mercado da empresa que refletido nos preos das aes. A DEMONSTRAO DE RESULTADOS A demonstrao de resultado mede a performance da empresa sobre um perodo de tempo especfico. A equao de demonstrao de resultado : Rendimentos - Despesas = Lucro Lquido Lucro lquido (i.e., ponto principal) iguala o rendimento menos todas as despesas e impostos. Lucro lquido dividido pelo nmero de lotes de aes fora de srie referido como lucro por ao (LPS). GAAP e a Demonstrao de resultado Generally Accepted Accounting Principles (GAAP) requer que o rendimento seja registrado na demonstrao de resultado quando ele ganho, ou acumulado, mesmo se as entradas de caixa real dos pagamentos no ocorreram. Os custos, como indicado na demonstrao de resultado, so determinados de acordo ao princpio de adequao ('matching' principle); isto , os custos so casados como os rendimentos que eles produzem. Assim, rendimentos e custos registrados num perodo particular podem no refletir os fluxos de caixa reais durante o perodo. Itens No Monetrios A existncia de itens no-monetrios, tal como uma depreciao, pode tambm fazer diferir o rendimento contbil e o fluxo de caixa num particular perodo de tempo. Tempo e Custos freqentemente til distinguir entre curto prazo e longo prazo quando se medem os custos. No longo prazo, todos os custos so variveis (i.., eles podem ser mudados). No curto prazo, alguns custos so variveis, e outros so fixos (no podem ser mudados sem considervel despesa e/ou esforo). IMPOSTOS Taxas de Impostos da Corporao. A Tabela 2.3 no texto mostra as atuais taxas de impostos marginais da corporao. Note que a taxa marginal de imposto marginal decresce no nvel mais alto de rendimentos. Taxa Mdia de Imposto versus Taxa de Imposto Marginal Uma taxa mdia de imposto igual aos impostos totais pagos divido pelo rendimento tributvel total. Uma taxa de imposto marginal a taxa de imposto aplicada ao ltimo dlar ganho. As taxas mdias de impostos so comparadas s taxas de impostos marginais na Tabela 2.4 no texto. Decises financeiras geralmente envolvem variaes nos fluxos de caixa dos nveis existentes. Portanto, a taxa de imposto marginal da empresa geralmente a taxa relevante para a tomada de deciso financeira. APURAO DE RESULTADOS Apurar o resultado significa analisar se a empresa est dando lucro ou no. Para que saibamos se estamos obtendo lucro, necessrio que seja feita a seguinte anlise: Total de vendas no perodo custos ou despesas = Lucro ou prejuzo Para facilitar a compreenso e o clculo do mnimo que devemos vender por ms, basta dividir os custos em dois grandes grupos: fixos e variveis. Custos variveis: so aqueles que possuem uma relao direta com a mercadoria e/ou produto vendido e o valor de vendas ou produo, pois sem estas eles no ocorreriam. Custos fixos: so aqueles que fazem parte da estrutura da empresa e seu valor independem da ocorrncia das vendas ou produo Atravs destas subdivises de custos possvel obter duas informaes muito importantes: a margem de contribuio e o ponto de equilbrio. A margem de contribuio calculada deduzindo-se os custos variveis da venda total e deve ser suficiente para cobrir os custos fixos mais o lucro desejado. Exemplo de tabela de apurao de resultados: DescrioValor%A) Vendas totais39.450,00100,0Vendas a vista7.550,0019,1Vendas a prazo31.900,0080,9B) Custos Variveis25.160,5563,8Custo das mercadorias ou matrias-primas16.800,0042,6ICMS3.850,509,8PIS/COFINS1.045,432,7Contribuio Social378,721,0CPMF78,900,2Comisses e seus encargos sociais1.597,004,1Fretes e embalagens1.410,003,6C) Margem de contribuio (A-B)14.289,4536,2D) Custos Fixos13.513,0034,2Retirada dos scios + encargos3.120,007,9Salrios4.650,0011,8Encargos sociais2.883,007,3Despesas com bancos510,001,3Honorrios contbeis250,000,6Aluguel800,002,0gua, luz e telefone420,001,1Propaganda550,001,4Manuteno245,000,6Outros custos fixos85,000,2E) Lucro Operacional (C-D)776,452,0F) Ponto de Equilbrio {(D/C)xA}37.306,3994,6 PONTO DE EQUILBRIO Anlise do ponto de equilbrio Esta anlise permite que o empresrio possa planejar como ter que trabalhar para gerar lucro em sua atividade. Para que possa se fazer esta anlise, utilizamos o clculo do ponto de equilbrio, que demonstra o nvel de vendas necessrio para obteno do lucro desejado. Esta sem dvida uma das informaes mais bsicas e importante que o empresrio deve conhecer para melhor administrar sua empresa. Ponto de equilbrio operacional (PEO) O clculo do ponto de equilbrio operacional permite conhecer o valor da receita total em que a empresa apenas cobre os custos fixos. Em outras palavras, o nvel de vendas em que a margem de contribuio gerada pelos produtos/mercadorias vendidas iguala-se aos custos fixos. Nesse clculo consideramos apenas a margem de contribuio e os custos fixos da atual estrutura da empresa. O ponto de equilbrio operacional calculado da seguinte maneira; PEO = (Custos fixos / % margem de contribuio) x 100 Ponto de equilbrio econmico (PEE) O ponto de equilbrio econmico, permite conhecer o nvel de receita total (vendas) em que a empresa alm de cobrir os custos fixo, gera lucro desejado. Em outras palavras, o valor de receita total (vendas) em que a margem de contribuio gerada pela venda de produtos e mercadorias iguala-se aos custos fixos somada ao lucro desejado. PEE = ( (Custos fixos + lucro desejado) / % margem de contribuio) x 100 (para calcular com o lucro desejado em R$) ou PEE = ( Custos fixos / (% margem contribuio - % lucro desejado)) x 100 (para calcular com o lucro desejado em %) Ponto de equilbrio financeiro (PEF) Permite conhecer o nvel de receita total de vendas em que a empresa alm de cobrir os custos fixos e o lucro desejado, tambm cobrir amortizaes de financiamentos de imobilizados, leasing, consrcios, parcelamento de impostos. Ou seja, valores que no so lanados na apurao de resultados, mas que mensalmente devem ser pagos pela empresa. PEF = ( (Custos fixos + amortizaes + lucro desejado) / % marg.contribuio) x 100 ANLISE DE SENSIBILIDADE A anlise de sensibilidade uma metodologia que permite estimar o resultado operacional (lucro) que a empresa obter alterando seus preos, receita total e custos. Esta metodologia de anlise complementa ao do ponto de equilbrio vista no item anterior, utilizando as informaes geradas na apurao de resultados. Exemplo de anlise de sensibilidade do lucro alterando o volume de vendas: DescrioSituao atual%+10% volume de vendas%Vendas totais32.881,8510036.170,03Custos variveis28.209,0085,831.033,8885,8Margem contribuio4.672,8514,25.136,1414,2Custos fixos4.423,5613,54.423,5612,23Lucro/Prejuzo249,290,8712,581,97% variao do lucro185,8 AVALIAO PATRIMONIAL de grande importncia a avaliao da evoluo do seu negcio e a forma mais adequada acompanhar o valor do patrimnio lquido da empresa. O que Patrimnio Lquido? PL = (bens + direitos) obrigaes BENS: capital em caixa, em estoques, em mquinas, em imveis DIREITOS: capital em bancos, em contas a receber, em aplicaes OBRIGAES: capital destinado para impostos, dvidas com brancos, salrios a pagar, fornecedores, investimentos de terceiros na empresa (emprstimos), etc. Sendo assim, o patrimnio lquido o capital prprio e as obrigaes so o capital de terceiros. A forma mais usual de subdividir os itens que compem a avaliao patrimonial a seguinte: ATIVO = bens e direitos PASSIVO = obrigaes PATRIMNIO LQUIDO = diferena entre ATIVO e PASSIVO. Se ao final de cada ms, for levantado o valor do patrimnio lquido de sua empresa, se ter uma viso precisa da evoluo financeira que ocorreu. Exemplo: Agosto PL R$ 91.845,00 Setembro PL R$ 92.585,00 Outubro PL R$ 93.995,00 Isto significa que a empresa teve um crescimento real em setembro de 0,8% em relao a agosto e em outubro de 1,52%. Se ocorrerem constantes quedas no valor do PL, devero ser tomadas medidas urgentes, visando retornar o crescimento, pois se isto no ocorrer, a empresa estar tendendo falncia. RENTABILIDADE Proporciona as condies de se saber o quanto rende, mensalmente, o patrimnio lquido, que o capital prprio da empresa. Rentabilidade = (lucro operacional / patrimnio lquido) x 100 CAPITAL DE GIRO O capital de giro prprio a soma dos valores que a empresa utiliza para movimentar os negcios do seu dia a dia, ou seja: o dinheiro em caixa/banco; o financiamento a cliente atravs das contas a receber e o somatrio dos recursos aplicados em estoque.    Recebimento dos clientes compras Vendas a pra Produo Para conseguir um bom equilbrio financeiro, a empresa precisa fazer com que o movimento deste ciclo acima, ocorra da forma mais rpida possvel. Quanto mais lento for o ciclo maior ser a necessidade de capital de giro prprio. No mnimo a empresa deve conseguir que os prazos de pagamento a seus fornecedores sejam maiores do que o prazo de recebimento dos seus clientes. Capital de giro prprio quando necessitamos manter os recursos prprios para fazer frente necessidade de capital de giro para movimentar a empresa. Deve ser administrado com muita cautela, pois o aumento elevado deste valor pode ocasionar a falta de dinheiro em caixa obrigando normalmente a procurar recursos em bancos onde o custo elevado. Como calcular o capital de giro prprio? Os dados descritos a seguir devem ser levantados, levando-se em considerao um determinado dia do ms e tambm o valor total das contas utilizadas. Exemplo: DescrioValor (R$)%a) Necessidades ou aplicaes do capital de giro69.620,00100,0Caixa e bancos850,001,2Contas a receber17.50025,1Estoques42.750,0061,4Outros (vales pagos, cheques pr-datados, etc.)8.520,0012,2b) Coberturas ou fontes externas do capital de giro56.205,0080,7Fornecedores38.750,0055,7Outras contas a pagar (impostos, salrios, etc.)6.785,009,7Duplicatas descontadas6.320,009,1Financiamentos a curto prazo4.350,006,2CAPITAL DE GIRO13.415,0019,3 Observe que essa empresa possui um capital de giro da ordem de R$ 69.620,00 e tem cobertura, ou seja, fontes de recursos externos que lhe auxiliam a bancar esse valor, perfazendo um total de R$ 56.205,00, sobrando para a empresa gerar de recursos prprios o valor de R$ 13.415,00. Portanto possvel acompanhar de perto o capital de giro, agindo da seguinte forma: AES QUE AUMENTAM A NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO: Compras a vista Reduo dos prazos de pagamento aos fornecedores Vendas a longo prazo Ineficincia nas cobranas Nveis elevados de estoque Dinheiro parado em caixa Uso do capital de giro prprio para financiar imobilizaes ou retiradas excessivas AES QUE DIMINUEM A NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO PRPRIO Vendas a vista Cobranas eficientes Vendas de imobilizados desnecessrios Aumento de capital com recursos prprios Maior lucratividade Aumento dos prazos de pagamentos aos fornecedores Maior rotao dos estoques. ANLISE DAS DEMONSTRAES FINANCEIRAS DEMONSTRAES FINANCEIRA PADRONIZADAS Tomando decises financeiras, freqentemente til comparar as demonstraes financeiras da empresa com aquelas de outras empresas similares. Entretanto, empresas da mesma indstria podem diferir substancialmente em tamanho, tornando difcil as comparaes de dados das demonstraes financeiras. Um problema similar surge quando uma empresa escolhe para comparar suas demonstraes financeiras correntes com aquelas dos anos precedentes; se a companhia tem um crescimento significativo, as comparaes baseadas nos valores em dlar podem no ser significativas. O uso das demonstraes financeiras de tamanhos comuns permite tornar as comparaes vlidas. Os valores das demonstraes financeiras de tamanhos comuns so padronizados apresentando as contas do balano patrimonial como uma porcentagem dos ativos totais e os dados das demonstraes de resultados como uma porcentagem das vendas. Devido as demonstraes financeiras de tamanhos comuns representarem os valores das demonstraes financeiras como ndices com um denominador comum (i.e., vendas ou ativos totais), os efeitos de diferenas de tamanho das empresas so removidos. ANLISE DE NDICES A fim de fazer comparaes durante o tempo, ou com empresas similares, os analistas freqentemente calculam ndices e vrios balanos patrimoniais e itens de demonstrao de lucro. Dados contbeis para empresas de tamanhos vastamente diferentes, ou para uma empresa que cresce durante o tempo, no podem, por outro lado, serem razoavelmente comparados. As cinco categorias seguintes de ndices financeiros so discutidas nesta seo: 1. ndices Solvncia a curto prazo ou Liquidez. 2. ndices Solvncia a longo prazo. 3. ndices de Administrao de ativo ou Giro. 4. ndices de Lucratividade. 5. ndices de Valor de Mercado. Dica de aprendizagem: Muitos estudantes acham que a maneira mais fcil para se aprender os ndices aprender as cinco categorias primeiro; e da aprender os ndices um de cada vez. Fazendo assim enfatizamos o fato que todos os ndices numa dada categoria esto relacionados, e torna-os mais fceis de lembrar. Medidas de solvncia a curto prazo, ou Liquidez Estes ndices medem a capacidade da empresa de cobrir obrigaes de curto prazos. O ndice de liquidez corrente (ou current ratio) calculado como Ativos Circulantes/Passivos Circulantes Uma deteriorao deste ndice no tempo pode indicar uma posio de liquidez decadente. O ndice de liquidez seca (ou quick ratio), ou ndice acid-test, similar ao ndice de liquidez corrente (ou current ratio), exceto que o estoque excludo: (Ativos Circulantes Estoque) Passivos Circulantes O estoque subtrado dos ativos circulantes no clculo do ndice de liquidez seca (ou quick ratio) porque o estoque usualmente o menos lquido dos ativos circulantes. O ndice de caixa definido como Caixa . Passivos Circulantes. e uma medida mais estrita da liquidez do que o corrente, do que o acid-test, e o ndice de caixa. Medidas de solvncia a longo prazo Solvncia a longo prazo mede o calibre da extenso em que uma empresa usa financiamento de dvidas ao invs de financiamento com capital prprio (patrimnio lquido). Se todo o resto for mantido inalterado, maiores dvidas aumentam a probabilidade do default, assim estes ndices podem tambm ser considerados indicadores do risco default. O ndice de endividamento geral (ou total debt ratio) mede a proporo dos ativos adquiridos com dinheiro tomado emprestado: (Total de Ativos Patrimnio lquido total) Ativos totais Alternativamente, o ndice de quociente dvida/capital prprio(ou debt/equity ratio) mede as contribuies relativas de capital de credores e acionistas (proprietrios): Quociente Dvida Capital Prprio O multiplicador de capital prprio is calculado como segue: Ativos totais /Patrimnio lquido total O ndice cobertura de juros (algumas vezes chamado de ndice de "razo lucro/juros") mede a capacidade da empresa em cobrir suas obrigaes de juros. Ele calculado como segue: LAJIR Juros A deteriorao neste ndice durante o tempo pode sinalizar que a empresa se encontra provavelmente em dificuldades financeiras. Uma modificao significativa do ndice razo lucro/juros o ndice de cobertura de caixa: (LAJIR + Depreciao) Juros Alguns consideram ser este ndice mais significativo do que o ndice razo lucro/juros porque a capacidade da empresa em cobrir as obrigaes de juros est mais estreitamente relacionada aos fluxos de caixa do que com os lucros. Medidas de Administrao de Ativos, ou Giro, Estes ndices medem quo efetivamente os administradores da empresa usam os ativos da empresa, e so algumas vezes referidos como ndices de utilizao de ativo. Giro de Estoque mede quo rapidamente o estoque produzido e vendido, e calculado como segue: Custo das mercadorias vendidas Estoque Um alto ndice de giro de estoque (comparando empresas similares) sugere o que a empresa na sua administrao de estoque. Podemos tambm calcular o nmero mdio de dias de vendas em estoque como segue: 365 . Giro de Estoque O giro de contas a receber mede a capacidade de administrar cobranas de contas de clientes. Ele igual: Vendas . Contas a receber Os dias de vendas em contas a receber so calculados do giro de contas a receber como segue: 365 . Giro de Contas a Receber Dias de vendas em contas a receber tambm referido como o prazo mdio de recebimento (PMR). Giro do Ativo Total igual a Vendas . Ativos totais, e indica quo efetivamente a administrao usa os ativos sob seu controle para gerar vendas. Um baixo valor sugere que os ativos no esto sendo usados eficientemente; ou a empresa deveria ser capaz de gerar mais receitas de vendas para um dado nvel de ativo, ou ela deveria reduzir o nvel de ativos necessrios para gerar um dado nvel de vendas. O ndice de intensidade de capital Ativos totais Vendas Que tambm igual a 1/Giro do Ativo Total. Assim, o ndice de intensidade de capital interpretado como o dlar de investimento em ativos necessrios para gerar $1 em vendas. Medidas de Rentabilidade Estes ndices medem a capacidade da administrao controlar as despesas e, como resultado, geram lucro das vendas. A margem de lucro calculada como segue: Lucro lquido Vendas Parece razovel concluir que uma maior margem de lucro prefervel a uma margem de lucro inferior. Entretanto, uma empresa pode eleger uma estratgia de marketing que enfatiza preos relativamente baixos,e, conseqentemente, margens de lucro baixas, a fim de aumentar o mercado de aes, vendas, e (esperanosamente) os lucros totais. Retorno do ativo (ROA) uma medida comumente registrada da performance. Este ndice igual: Lucro lquido Ativos totais Retorno do capital prprio (ROE) uma medida do retorno aos acionistas da empresa. ROE definida como: Lucro lquido . Patrimnio lquido total Medidas de Valor de Mercado Demonstraes financeiras fornece pouca informao sobre os valores de mercado, assim freqentemente til combinar dados de valores contbeis e de mercado para analisar as demonstraes financeiras. O ndice preo-lucro (P/L) um ndice empregado largamente na imprensa financeira. Um ndice P/L igual a: Preo por ao Lucro por ao O ndice P/L realmente um mltiplo que nos diz quanto os investidores pagaro para obter $1 de lucro. O ndice de preo/ valor patrimonial o preo de mercado das aes dividido pelo valor patrimonial das aes: Valor de mercado das aes Valor patrimonial das aes Onde o valor patrimonial das aes igual ao patrimnio lquido total dividido pelo nmero de aes consideradas. A IDENTIDADE DU PONT A Identidade Du Pont um meio de decompor a ROE em seus componentes. Ela sugere que a ROE seja uma funo daquelas decises que impactam a lucratividade, a utilizao de ativos, e as alavancagens financeiras. (Lucro lquido/Vendas) * (Vendas/Ativos) * (Ativos/Patrimnio lquido total) CRESCIMENTO INTERNO e SUSTENTVEL Reteno de Lucro e Distribuio de Dividendos O crescimento de vendas est associado com maiores lucros retidos precisam de maiores necessidades de ativos. A adio a lucros retidos em cada perodo afetada pelo nvel de dividendos pagos. O ndice de dividendo pago igual: Dividendos . Lucro lquido A proporo do lucro lquido retido, por outro lado (a reteno, ou ndice de re-investimento) igual: Adio a Lucros Retidos Lucro lquido Se todo o resto for mantido inalterado, quanto maior o ndice de distribuio de dividendos, maior a necessidade de financiamento externo. ROA, ROE, e Crescimento Administradores Financeiros devem estar atentos com respeito a relao entre crescimento projetado de vendas e o nvel de fundos disponvel das fontes internas (i.e., lucros retidos). A taxa de crescimento interno a taxa mxima de crescimento que a empresa pode atingir sem obter financiamento externo e igual a (ROA * b) . (1 - ROA * b) onde, o ROA o retorno do ativo e b o ndice de re-investimento. A taxa de crescimento sustentvel a taxa de crescimento que a empresa pode atingir sem emitir novos capitais prprios, enquanto mantm o ndice corrente do quociente dvida/capital prprio(ou ndice debt/equity). O SGR uma funo do retorno da empresa sobre o capital prprio e ndice de re-investimento: SGR = (ROE * b) /(1 - ROE * b). Determinantes do Crescimento: A Identidade Du Pont especifica que a ROE pode ser escrita como segue: ROE = Margem de lucro * Giro do Ativo Total * Multiplicador de capital prprio Desde que a ROE um determinante da taxa de crescimento sustentvel, os trs determinantes da ROE so tambm determinantes do SGR. Desta forma, claro que a taxa de crescimento sustentvel est positivamente relacionada a margem de lucro, giro do ativo, e o ndice dvida-capital prprio, e inversamente relacionada distribuio de dividendos, Se todo o resto for mantido inalterado. Esta viso da taxa de crescimento sustentvel esclarece a relao entre os quatro aspectos das tomadas de decises financeiras e seus respectivos efeitos na capacidade da empresa crescer. USANDO INFORMAES DA DEMONSTRAO FINANCEIRA Nesta seo discutimos os trs assuntos associados ao uso das informaes das demonstraes financeiras: razes para avaliao das demonstraes financeiras; critrios apropriados; e problemas encontrados na anlise. Por que avaliar Demonstraes financeiras? Anlise Demonstraes financeiras tem ambos os usos interno e externo. O uso interno inclui: avaliao de performance, e planejamento para o futuro. O uso externo inclui: anlise realizada por credores e investidores potenciais, avaliao de competidores, e estimativas de performance para propsitos de aquisio de uma outra empresa. Dica de aprendizagem: A seo anterior organizou os ndices financeiros em cinco categorias. Voc poder ach-las teis pensar nestas categorias as'dimenses' financeiras da empresa, anlogo s dimenses fsicas de um objeto, tais como comprimento, largura, e altura. Como tal, dimenses financeiras so usada para 'descrever' a empresa, onde dimenses fsicas so usadas para descrever um objeto. Assim, um dos aspectos mais importantes da anlise dos ndices financeiros que ela nos fornece uma maneira sistemtica de descrever, de uma maneira relativamente simples, alguma coisa que poderia por outro lado parecer muito complicada. Escolhendo um Critrio As duas formas bsicas de comparao quando se avaliam as informaes de demonstraes financeiras so anlise de tendncia temporal e anlise grupo amigo. Na anlise de tendncia temporal, compara-se dados correntes com dados histricos. A anlise grupo amigo a comparao de empresas que so similares empresa que est sendo avaliada. Problemas com a Anlise de Indicadores Financeiros Infelizmente, no existem orientaes claras com respeito a determinao dos valores timos para os ndices discutidos na seo precedente. Outras dificuldades potenciais que podem surgir na anlise das demonstraes financeiras incluem: (1) identificao de grupos amigos comparveis; (2) diferenas nos procedimentos contbeis; (3) diferenas nos anos fiscais para demonstraes financeiras; e, (4) eventos no usuais que tem um impacto nos resultados financeiros registrados. PLANEJAMENTO E CONTROLES FINANCEIROS EM 7 PASSOS: Passo 1 Entendendo suas finanas Vamos ter que iniciar este fascculo explicando, da maneira mais simples possvel, alguns termos financeiros que so largamente utilizados. Custos x Despesas Ambos so gastos. A diferena que os custos esto diretamente ligados produo dos produtos e servios da sua empresa, por exemplo, se voc uma indstria de bebidas ento a compra da matria-prima (vidros, garrafas, rolhas, etc.) e os gastos com a linha de produo (equipamentos) so custos. Como despesas temos conta de gua, energia, aluguel do escritrio, etc. Esta classificao importante para que voc possa analisar o quanto est investindo em seus produtos e servios. Fixos e Variveis Os gastos, tanto custos quanto despesas, podem ser classificados em variveis quando acontecem esporadicamente, e fixos quando acontecem periodicamente. Esta classificao importante para que voc possa analisar os gastos recorrentes e projetar adequadamente sua necessidade de caixa para pag-los. Faturamento o total de vendas da sua empresa Lucro (Lucratividade ou Rentabilidade) o quanto sua empresa est se beneficiando pela venda dos produtos ou servios, ou seja, o faturamento subtrado dos gastos (custos e despesas) e impostos. Passo 2 Plano de contas O plano de contas uma lista de contas que sero utilizadas para a consolidao das transaes financeiras da sua empresa. Por exemplo: ContaDescrio1Receitas1.1Receitas provenientes de vendas para clientes1.2Ganhos com aplicaes financeiras2Despesas2.1Salrios e encargos2.1.1Salrios de funcionrios2.1.2Frias2.1.3Horas extrasVeja que a numerao ajuda muito na classificao e organizao. Normalmente os contadores tm vrios planos de contas padro j montados, e, antes de iniciar as operaes da empresa escolhem o plano que mais se assemelha com os negcios desta nova empresa. Recomendamos alguns cuidados especiais: Revise, junto com seu contador, o seu plano de contas. Ningum conhece sua empresa e seus negcios melhor do que voc. Talvez voc tenha que criar novas contas para poder gerenciar melhor a empresa. Procure deixar uma cpia do plano de contas sempre mo. Cada vez que voc for enviar uma nota de despesa, cpia de cheque, ou qualquer outro documento para contabilizao, procure anotar no documento a conta na qual dever ser contabilizada a transao. Tenho alguns clientes que juntam um monte de notas fiscais e mandam para o contador, que tenta adivinhar a natureza do gasto, e, com alguma freqncia aloca a despesa em uma conta incorreta por falta de informaes adequadas. Tenho visto que algumas empresas utilizam-se de dois planos de contas distintos um para dar a viso contbil e outro para dar a viso gerencial. Para uma empresa de porte pequeno ou mdio, este procedimento pode ter um custo/benefcio desvantajoso seria bem melhor elaborar e controlar muito bem um nico plano de contas. Para empresas maiores pode-se implementar, tambm, o conceito de centro de custo, ou seja, o departamento ou grupo que originou a transao (receita ou despesa) financeira. Desta forma posso tirar relatrios consolidados pela conta (do plano de contas) e pelo centro de custo. Passo 3 Histrico financeiro Vamos comear a analisar os dados financeiros da sua empresa. Se sua empresa utiliza um software de gesto empresarial (ERP) voc poder extrair vrios relatrios para anlise. Recomendamos que voc utilize uma planilha ou relatrio da seguinte forma: Crie 14 colunas Na primeira coluna coloque as principais contas do seu plano de contas, por exemplo: Receitas Venda de produtos Venda de servios Locao Despesas Aluguel Conta de luz Conta de telefone Acesso Internet Salrios Impostos Nas colunas 2 a 13 coloque os meses de Janeiro a Dezembro consolidando as receitas e gastos ms-a-ms. Na coluna 14 coloque o total, ou seja, a somatrio dos meses. Importante: alguns clientes criam uma linha de outros para consolidar receitas ou gastos de menor valor. Contudo, algumas vezes estes outros acabam virando grandes buracos negros escondendo uma srie de ineficincias operacionais ou problemas de gesto financeira. Certifique-se de que voc sabe o que est sendo consolidado em outros. A anlise do histrico financeiro vai permitir que voc: Verifique se as contas do plano de contas esto com um nvel de detalhes suficientes para voc gerenciar sua empresa. Identifique a sazonalidade das receitas e despesas, que ser importantssimo para fazer as projees e o planejamento para o prximo perodo fiscal. Por exemplo, voc poderia identificar que, no seu ramo de atuao, os meses de Janeiro e Fevereiro representam muito pouca receita, e que o ms de Dezembro tem, sempre, um valor alto de despesas com salrios. Identifique quais foram as maiores fontes de receitas, e, as maiores despesas. Desta forma voc poder atuar em minimizar os custos e maximizar os ganhos. Com base na planilha procure responder como voc poderia aumentar a lucratividade da sua empresa. Passo 4 Indicadores de desempenho Vamos escolher os indicadores para medir o desempenho financeiro da sua empresa. Para empresas jovens costumamos analisar o faturamento (vendas) da empresa. medida que a empresa amadurece, ela passa a ter que se preocupar, tambm, com a qualidade das vendas, ou seja, a rentabilidade. Em um estgio ainda mais avanado a empresa passar a utilizar indicadores sofisticados como EVA (Valor Econmico Agregado), ROI (Retorno sobre Investimento), Contribution Margin, etc. O importante que voc, no incio do ano fiscal, estabelea as metas para os indicadores escolhidos e para cada um dos trimestres, levando em considerao a sazonalidade de vendas e gastos. Por exemplo, digamos que sou uma empresa jovem e vou analisar apenas o faturamento, sendo as metas: 1. Trimestre 1 - $ 500.000 lembrando que Janeiro e Fevereiro so meses fracos 2. Trimestre 2 - $ 700.000 3. Trimestre 3 - $ 700.000 4. Trimestre 4 - $ 1.000.000 Recomendamos que voc analise, mensalmente, a evoluo dos seus indicadores escolhidos. Desta forma, se o mercado mudar ou se a sua empresa estiver com desempenho abaixo do esperado voc poder tomar as medidas adequadas antes de finalizar o trimestre. Quando a empresa jovem ela normalmente utiliza o indicador de sobrevivncia, ou seja, o dinheiro que ela tem em caixa dividido pelo valor mensal de seus gastos, o que vai resultar no nmero de meses que a empresa poder viver com o dinheiro que tem em caixa. Passo 5 Cenrios e projees Chegou a hora de fazermos as previses sobre o futuro financeiro da sua empresa. Calma, voc no vai precisar de uma bola de cristal, mas sim, de algumas dicas simples: 1. Antes de mais, nada voc vai consultar jornais, revistas e a Internet para saber as previses macro-econmicas do seu pas: a. Qual a inflao projetada? b. Qual a previso do cmbio de dlar? (essencial se voc importa ou exporta, ou, se vende para quem importa ou exporta) c. As alquotas de impostos mudaro? Quanto e quando? 2. Agora vamos olhar as tendncias do mercado. Aqui voc poder pesquisar, tambm, em revistas, jornais e Internet, ou, ligar para associaes de classe, fornecedores, ou mesmo clientes. Normalmente os empresrios e diretores esto sempre atentos ao mercado e tem uma idia do que vai acontecer: a. Quanto voc acha que o seu mercado vai crescer (ou diminuir) no prximo ano? b. Quais so os eventos que acontecero e que podem impactar seus negcios (eleies, jogos olmpicos, copa do mundo, etc.)? 3. Agora chegou a hora de olhar para a sua empresa: a. Quanto voc acha que sua empresa vai crescer? b. Qual a previso de gastos? c. Pretende fazer investimentos em novos produtos e servios? Escreva todas as respostas em uma grande folha de papel e veja como elas impactaro as receitas e os gastos da sua empresa. No esquea de anotar o seu raciocnio e porque voc tomou as decises no final do trimestre voc poder comparar e ajustar suas expectativas. Agora que voc tem o cenrio com as previses de mudana para o seu pas, o seu mercado e para sua empresa, est na hora de fazer a projeo financeira da sua empresa. Utilize o modelo da planilha que fizemos no Passo 3 Histrico Financeiro os dados histricos serviro de guia para voc planejar (projetar) as receitas e gastos para o prximo ano fiscal. No esquea de acompanhar e controlar, ms-a-ms, este planejamento. Caso no tenha histrico, faa uma mdia dos gastos x receitas at o momento. Passo 6 Fluxo de caixa Um dos instrumentos mais importantes para o empresrio o fluxo de caixa. Nele voc ter visibilidade de todos os eventos financeiros programados, ou seja, quando os seus clientes iro pagar e quando voc ter que pagar cada um dos fornecedores ou parceiros. Se voc usa um sistema de gesto empresarial (ERP) certifique-se que o contas-a-pagar e o contas-a-receber estejam sendo registrados adequadamente, e, extraia o relatrio fluxo de caixa periodicamente (eu recomendo semanalmente). Eu normalmente utilizo uma planilha muito parecida com a que utilizamos no Passo 3 Histrico Financeiro com a diferena de que nas colunas eu coloco os valores semana-a-semana e no ms-a-ms. Desta forma consigo um gerenciamento muito melhor e mais apurado. Eu me reno com meus diretores, semanalmente, discutimos as oportunidades de negcios e de investimentos, e, atualizamos o fluxo de caixa com as novas expectativas de receitas e gastos. Com o fluxo de caixa atualizado eu consigo ter visibilidade se a empresa ter falta ou sobra de caixa e em que semana isto acontecer. Passo 7 Impostos e encargos Se voc fez a planilha do Passo 3, ento, voc deve ter verificado que os impostos e encargos representam uma boa fatia do seu faturamento e voc dever estar, constantemente, atento para as mudanas de lei que impactaro sua carga tributria. extremamente difcil prestar informaes, dar dicas ou falar de melhores prticas com relao a este assunto atravs de um fascculo como este porque o nmero de variveis imensa. Os impostos e encargos dependem de onde est localizada sua empresa, do seu ramo de atividade, da forma como voc faz os negcios, entre outros. Vamos, ento, dar apenas algumas dicas, mas, talvez depois de ler este fascculo, voc queira contratar uma consultoria especializada para analisar sua empresa e ver as melhores formas de otimizao de impostos e encargos. Dica 1 Seguindo a lei As leis tributrias e fiscais so complexas e cheias de detalhes o seu contador poder orient-lo para que sua empresa otimize a carga de impostos e encargos totalmente dentro da lei. Antigamente os empresrios no queriam perder tempo entendendo as leis, e, preferiam descumpri-las com artifcios como caixa2, contratao no-CLT, no emisso de nota fiscal, e outras prticas que criavam um grande risco para a empresa. As multas aplicadas pelo no cumprimento da lei podero falir o seu negcio. Se voc pretende submeter sua empresa para receber investimentos (Venture Capital) esteja certo de que no existe qualquer tipo de passivo trabalhista, tributrio ou fiscal, ou seja, que sua empresa est trabalhando de maneira totalmente regularizada. Dica 2 Regime de apurao O governo brasileiro permite dois tipos de regime de apurao de imposto de renda: Lucro Presumido e Lucro Real. Normalmente o seu contador falar para voc optar por Lucro Presumido. Cuidado, pea para que ele faa uma simulao com os dados da sua empresa (previso). A opo de Lucro Real poder ser bem mais vantajosa para sua empresa, embora, d muito mais trabalho para seu contador. Entretanto se sua empresa for prestadora de servio, veja as vantagens do lucro presumido em relao a taxao de outros impostos que impactaro sobre seu faturamento. Dica 3 Impostos por perodo Alguns impostos so calculados sobre o faturamento de um determinado perodo, por exemplo, o imposto de renda para Lucro Presumido calculado a cada trimestre. Ento, s vezes, ser bem mais vantajoso para sua empresa negociar com o cliente para a entrega dos produtos e nota fiscal no primeiro dia do prximo trimestre. Desta forma voc conseguir diluir e gerenciar a carga de impostos que voc pagar no trimestre com conseqente otimizao. Dica 4 Impostos por faixa de contribuio Vou utilizar o mesmo raciocnio da dica anterior. Alguns impostos so calculados com base em alquotas que variam por faixa de faturamento em especial se sua empresa est no SIMPLES. Ento, se estamos em Dezembro, s vezes pode ser vantajoso negociar com o cliente para a entrega de produtos e faturamento em Janeiro. Parece complicado? No se assuste, o primeiro passo organizar as finanas da sua empresa. Feito isso voc ver que muito prtico realizar as atualizaes, para ento planejar e controlar eficientemente o dinheiro da sua empresa. DEMONSTRAO DO FLUXO DE CAIXA A Demonstrao do Fluxo de Caixa, embora no exigida pela Lei 6.404/76 de grande utilidade interna na entidade. De forma condensada, a Demonstrao do Fluxo de Caixa(DFC) indica a origem de todo o dinheiro que entrou no Caixa, bem como a aplicao de todo o dinheiro que saiu do Caixa em determinado perodo, e, ainda o Resultado do Fluxo Financeiro. Assim como a Demonstrao do resultado do exerccio , a DFC uma demonstrao dinmica e tambm est contida no Balano que, por sua vez, uma demostrao esttica. Se, por exemplo tivermos um Balano Patrimonial cujo disponvel seja: Circulante31/12/X131/12/X2Disponvel1.820.0002.500.000Estamos diante de uma situao esttica, ou seja, uma fotografia do saldo disponvel no incio e outra no final do perodo. Mas quais foram as razes que contribuiram para o aumento das disponibilidades em 680.000? A Demonstrao do Fluxo de Caixa(DFC) ir indicar-nos o que ocorreu no perodo em termos de sada e entrada de dinheiro no Caixa(demonstrao dinmica) e o resultado desse Fluxo. A DFC propicia ao gerente financeiro a elaborao de melhor planejamento financeiro, pois numa economia tipicamente inflacionria no aconselhvel excesso de Caixa, mas o estritamente necessrio para fazer face aos seus compromissos. Atravs do planejamento financeiro o gerente saber o montante certo em que contrair emprstimos para cobrir a falta(insuficincia) de fundos, bem como quando aplicar no mercado financeiro o excesso de dinheiro, evitando, assim a corroso inflacionria e proporcionando maior rendimento empresa. Mas s atravs do conhecimento do passado(o que ocorreu) se poder fazer uma boa projeo do Fluxo de Caixa para o futuro (prxima semana, prximo ms, prximo trimestre, etc.). A compensao do Fluxo Projetado com o real vem indicar as variaes que, quase sempre, demonstram as deficincias nas projees. Estas variaes so excelentes subsdios para aperfeioamento de novas projees de Fluxos de Caixa. ELABORAO DO FLUXO A DFC pode ser elaborada sob duas formas distintas: a) De posse da conta Caixa, ordenando as operaes de acordo com a sua natureza e condensando-as, podermos extrair todos os dados necessrios. b) De posse das Demonstraes Financeiras, uma vez que nem sempre teremos acesso ficha(ou livro) da conta Caixa, lanaremos mo de uma tcnica bastante prtica, proporcionando, assim, a elaborao da DFC para empresas diversas Ressalta-se que, pelo aspecto prtico, mesmo tendo acesso conta Caixa, alguns contadores preferem elaborar a DFC pela tcnica referida no item b. Por essa razo e pelo fato de propiciar a elaborao da DFC para qualquer empresa(sem necessidade de acesso contabilidade), enfatizaremos esta tcnica. AS PRINCIPAIS TRANSAES QUE AFETAM O CAIXA A seguir relacionaremos, em dois grupo, as principais transaes que afetam o Caixa. A) TRANSAES QUE AUMENTAM O CAIXA (DISPONVEL) Integralizao do capital pelo Scios ou Acionistas So os investimentos realizados pelos proprietrios. Se a integralizao no for em dinheiro, mas em bens permanentes, estoques, ttulos etc., no afetar o Caixa. Emprstimos Bancrios e Financiamentos So os recursos financeiros oriundos das instituies Financeiras. Normalmente, os Emprstimos Bancrios so utilizados como Capital de Giro(Circulante) e os Financiamentos, para aquisio de ativo Permanente (Fixo). Venda de Itens do ativo Permanente Embora no seja comum, a empresa pode vender itens do Ativo Fixo. Neste caso, teremos uma entrada de recursos financeiros. Vendas a Vista e Recebimentos de Duplicatas a Receber A principal fonte de recursos do caixa, sem dvida, aquela resultante de vendas. Outras Entradas Juros recebidos, dividendos recebidos de outras empresas, indenizaes de seguros recebidas etc. B) TRANSAES QUE DIMINUEM O CAIXA (DISPONVEL) Pagamentos de Dividendos aos Acionistas; Pagamentos de Juros, Correo Monetria da Dvida e Amortizao da Dvida; Aquisio de itens do Ativo Permanente; Compras a vista e Pagamentos de Fornecedores; Pagamentos de Despesa/Custo, Contas a Pagar e Outros. C- TRANSAES QUE NO AFETAM O CAIXA Atravs do itens relacionados no grupo A observamos os principais encaixe(entrada de dinheiro no Caixa). Atravs dos itens relacionados no grupo B observamos os principais desembolsos(sadas de dinheiro do Caixa). Agora observaremos algumas transaes que no afetam o Caixa, isto , no h encaixe e nem desembolso: Depreciao, Amortizao e Exausto. So meras redues de Ativo, sem afetar o caixa; Proviso para devedores Duvidosos. Estimativa de provveis perdas com clientes que no representa o desembolso ou encaixe; Acrscimo ( ou Diminuies ) de itens de investimentos pelo mtodo de equivalncia patrimonial. Assim como Correo Monetria, poder haver aumentos ou diminuies em itens de investimentos sem significar que houve vendas ou novas aquisies. TERMOS CHAVE e CONCEITOS Taxa mdia de imposto - impostos totais pagos divididos pelo rendimento tributvel total. Balano patrimonial - demonstrao financeira mostrando o valor contbil de uma empresa numa data particular. Fluxo de caixa dos ativos - o fluxo de caixa total aos credores e o fluxo de caixa aos acionistas, consistindo do seguinte: fluxo de caixa operacional, despesa de capital, e variaes no capital de giro lquido. Fluxo de caixa to juros pagos mais reembolso das dvidas de longo prazo, menos os novos emprstimos tomados de longo prazo. Fluxo de caixa to acionistas - dividendos pagos mais o valor em dlar das aes que foram compradas novamente pela empresa, menos lucros das vendas de novos patrimnios lquidos. Generally accepted accounting principles (GAAP) - o conjunto comum de padres e procedimentos pelos quais demonstraes financeiras so preparadas. Demonstrao de resultado demonstrao financeira resumindo a performance da empresa sobre um perodo de tempo. Taxa marginal de imposto quantia de imposto a pagar sobre o prximo dlar ganho. Despesa lquida de capital Ativos fixos finais menos ativos fixos iniciais, mais depreciao Capital de giro lquido - ativos circulantes menos passivos circulantes. Itens extras-caixas despesas devidas contra receitas que no afetam diretamente o fluxo de caixa. Fluxo de caixa Operacional - dinheiro gerado de uma atividade de negcio normal da empresa. Demonstrao de tamanho comum - demonstraes padronizadas apresentando itens em termos de porcentagens. ndice de Distribuio de Dividendos dividendos pagos como uma porcentagem do lucro lquido. A identidade Du Pont um ndice financeiro que ilustra o efeito combinado da lucratividade, giro do ativo total, e alavancagem sobre o retorno do patrimnio lquido (ROE). ndices Financeiros so relaes determinadas da informao financeira da empresa e usadas para comparao e propsitos de avaliao. Taxa de crescimento interno - mximo crescimento rate para uma empresa que contam com somente um financiamento interno. Cdigo de classificao industrial (SIC) - cdigo para classificar empresas por tipo de negcios. ndice de reteno adio aos lucros retidos como uma porcentagem do lucro lquido. Taxa de crescimento sustentvel mximo crescimento rate para uma empresa que mantm um ndice de dvida constante e no vende aes. BIBLIOGRAFIA ASSAF NETO, Alexandre e SILVA, Csar Augusto Tibrcio. Administrao do capital de giro. Editora Atlas. ASSEF, Roberto. Guia prtico de administrao financeira. Editora Campus. BREALEY, Richard A. & MYERS, Stewart C. Princpios de finanas empresariais. Lisboa, Portugal. Editora McGraw-Hill. BRAGA, Roberto. Fundamentos e Tcnicas de Administrao Financeira. Editora Atlas. BRIGHAM, Eugene F. & HOUSTON, Joel F. Fundamentos da moderna administrao financeira. Editora Campus. FIPECAFI. Retorno do Investimento. Editora Atlas. FORTUNA, Eduardo. Mercado financeiro Produtos e servios. Qualitymark Editora. GITMAN, Lawrence J. Princpios de Administrao Financeira. Editora Harbra. HILL, Ned C. e SARTORIS, William L. Short term financial management text and cases. Prentice-Hall Inc. MARTINS, Eliseu & ASSAF NETO, Alexandre. Administrao Financeira: As finanas das empresas sob condies inflacionarias. Editora Atlas. ROSS, Stephen A. & WESTERFIELD, Randolph W. & JAFFE, Jeffrey F. Administrao financeira. Editora Atlas. SANVICENTE, Antnio Zoratto, Administrao financeira. Editora Atlas. SECURATO, Jos Roberto. Decises financeiras em condies de risco. Editora Atlas.     PAGE  PAGE 8 Caixa e Bancos Produtos acabados Estoques Vendas a Vista Contas a Receber ),   ' ( - . / H I O P Q f h n o p wwwwwh h 5 h 5h h?5h hO5h h$5 h h? h hOjh h$;UaJ h h$jh h$Uh h[(5CJ hGSh[(56CJ hGSh[(aJ hn9CJ$hGSh[(CJ$ hGSh[(.     -\r]gd$ $]a$gdf#gdA]$a$gdA]!t 0 R q  / M p  : Z $[$\$a$gd$$[$\$`a$gd$ d`gd$$d`a$gd$dgd$     % & , - . B C J K L e g m n o   ǿϸϸh h$@h h$@\ h h$h h \h h?\h hO\h h$\h h$5h hO5h h 5h h?5?     / 0 1 7 9 : N O Q W Y Z { }  ɿ籤݁xx݁xng`\gh h h? h hh h$0J5h h@h h$@h h?@mH sH h h@mH sH h h$@mH sH h h$@\mH sH h h?@\h h@\h hO@\h h$@\ h h$h h?@h hO@!  8 k R9$ & F 8a$gdA]H`HgdA]gdA]$a$gdA]]gdGS$[$\$a$gd$$a$gd$$9D[$\$a$gd$$[$\$`a$gd$      , - . 5 7 8 c d f h j k HK]'Ⱦ{t hGSh<h<hGSh[(5jhGSh[(5;UaJ hGSh[(jhGSh[(UhGS h @\h h?@\h h@\h h$@\ h h? h h h h$h h?\h h\h h$\*'0Rjk)B*"#f$g$v$(((h)o)))))))))****++,,-,?,^,y,z,,-----+.K.hGShpN5@\hGShpN5>*@\ hGShpNhGShpN6@]hGShpN@hGShpN6hGShf#5@\hGSh5hGSh[(6hGSh[(CJOJQJhGSh[(5 hGSh[( hGShA]49%<[x' $ & Fa$gdf# $H`Ha$gdf# $ & Fa$gdf# $H`Ha$gdA]$a$gdA]dgdA]$[$\$`a$gdA]$H[$\$`Ha$gdA]'CSkl()B*> Q!!!d"""# $H`Ha$gdf# $ & Fa$gdf#$a$gdA] $H`Ha$gdA] $da$gdA] $ & Fa$gdf###f$g$v$%%]&z&&&&$$If^a$gdA]$S^`Sa$gdA]$H^`Ha$gdA]dgdA] $H`Ha$gdA] &&&&&m[[$$If^a$gdrO$$If^a$gdA]kd$$IfFF}"U"}30    4 FaF&&&&&m[[$$If^a$gdrO$$If^a$gdA]kd$$IfFF}"U"}30    4 FaF&&'''m[[$$If^a$gdrO$$If^a$gdA]kdl$$IfFF}"U"}30    4 FaF'' (( (m[[$$If^a$gdrO$$If^a$gdA]kd"$$IfFF}"U"}30    4 FaF (!(B(K(P(m[[$$If^a$gdrO$$If^a$gdA]kd$$IfFF}"U"}30    4 FaFP(Q(((()*+m^VC^^$H[$\$`Ha$gdA]dgdGS$[$\$a$gdA]$H^`Ha$gdA]kd$$IfFF}"U"}30    4 FaF+-,z,-j/0 22,2223567778::::$a$gdA]dgdA]dgdGS $^a$gdf#$H[$\$`Ha$gdA]$[$\$a$gdA]K.i/j//_0g0000$151i1{1 2 22,2222222233333W4`4556666777778 888889T9l9::k:::::;ļıhGSh[(6hGShpN5@\hGShpN56\hGShpN6hGShf#5@\ hGSh[(hGShpN6@]hGShpN5>*@\ hGShpNhGShpN@::;;j<==>>>>>>> $$Ifa$gdA] $S`Sa$gdA] $H`Ha$gdA]$H^`Ha$gdA] ;;>?,?;?J?Z?~????????@@@5@C@W@e@@@@@@@@@@@AA1A=ARA^AfArAAAAAAAAAAB(B9BMBNBHXHJVJWJpJL+LM#M$M:MMNENOhGShf#6hGSh[(OJQJ hGShf#hGSh[(6hGSh[(5CJOJQJhGSh[(CJOJQJ hGSh[(hGSh[(5F>> ???sgg $$Ifa$gdf# $$Ifa$gdA]kdD$$IfFF >  30    4 FaF??,?5?:?qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd$$IfFF >  30    4 FaF:?;?J?T?Y?qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd$$IfFF >  30    4 FaFY?Z?n?x?}?sgg $$Ifa$gdf# $$Ifa$gdA]kdf$$IfFF >  30    4 FaF}?~????qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd$$IfFF >  30    4 FaF?????qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd$$IfFF >  30    4 FaF?????qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd$$IfFF >  30    4 FaF????@qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd> $$IfFF >  30    4 FaF@@@@@qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd $$IfFF >  30    4 FaF@@5@>@B@qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd $$IfFF >  30    4 FaFB@C@W@`@d@qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd` $$IfFF >  30    4 FaFd@e@@@@qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd $$IfFF >  30    4 FaF@@@@@qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd $$IfFF >  30    4 FaF@@@@@qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd $$IfFF >  30    4 FaF@@@@@qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd8$$IfFF >  30    4 FaF@@@@@qee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd$$IfFF >  30    4 FaF@@AAAqee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd$$IfFF >  30    4 FaFAA1A8A  30    4 FaF  30    4 FaF]A^AfAmAqAqee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd$$IfFF >  30    4 FaFqArAAAAqee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd|$$IfFF >  30    4 FaFAAAAAqee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd2$$IfFF >  30    4 FaFAAAAAqee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd$$IfFF >  30    4 FaFAAAAAqee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd$$IfFF >  30    4 FaFAAABBqee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kdT$$IfFF >  30    4 FaFBB(B2B7Bqee $$Ifa$gdf#$$Ifa$gdA]kd $$IfFF >  30    4 FaF7B8B9BMBNBmBBD&DEEtltt``t`` $H`Ha$gdA]dgdA] $da$gdA]kd$$IfFF >  30    4 FaF E FDFGG HHXHHHJVJWJpJKKKLL $$Ifa$gdA] $$Ifa$gdA]dgdA] $a$gdrO $S`Sa$gdA] $S`Sa$gdA] $H`Ha$gdA] $da$gdA]$a$gdA]LL(L*L+L9LCLGLQLMkdv$$IfFr tU" 04 FaF $$Ifa$gdA]QLRLSLdLnLsL}LLMkd^$$IfFr tU" 04 FaF $$Ifa$gdA]LLLLLLLYMMMMM $$Ifa$gdA]kd@$$IfFr tU" 04 FaFLLLLLLLYMMMMM $$Ifa$gdA]kd"$$IfFr tU" 04 FaFLLLLLMMYMMMMM $$Ifa$gdA]kd$$IfFr tU" 04 FaFMMMMM"MYMMMM $$Ifa$gdA]kd$$IfFr tU" 04 FaF"M#M$M:MMMNENiaaUUM? $S`Sa$gdA]$a$gdA] $H`Ha$gdA]dgdA]kd$$IfF4\ U"  04 FaFf4ENN!OOOO PBPPPPQ'QQQR_RRS*S)T+T,T1TdgdA]$Sd^`Sa$gdA]$Hd^`Ha$gdA] $H`Ha$gdA]OBPQR_RRS*S)T*T,T0T1T;TD#hpN6h>D#hpN6@h>D#hpN6@\ hGShpNhGShpN5\ hGShrOh[( hGShn9hn9hrO hGShGS jhGSh[(UmHnHuhGSh[(6 hGSh[(hGSh[(5,1TtTuTvTwTxTyTzTTTTTTTTTTTTTTU*@hGShpN>*@hGShpN@mH sH hGShpN5>*@\hGShpN56@\]hGShGS@h>D#hpN6h>D#hpN56@\hGShf#5@\ hGShpNhGShpN6@]hGShpN@1hhh>iKicidifiuiiiiiiiiijj7jkkkk l l6l7lDlElYllllmmmmm4mLmMmtmum~mm'n(n-n.n3n4nnnnooo%o&o+o,opp?ppppppааhGShf#@hGShpN5>*@\hGShf#>*@hGShpN>*@hGShGS>*@hGShpN6@] hGShpNhGShpN@Eiijk l7lEllmmMmum(n.n4nno&o,oppEqdqlq8r$H[$\$`Ha$gdA]$[$\$a$gdA]$[$\$a$gdf#pDqEqcqdqkqlqr+r7r8r;r>rArFrVrWrYrqrrrrrrrrrrs>s?sFsIsQsisjssssssssssstt_u`uluuuuuuuLvevvvwwwwwwgxhxyxxxxxhGShpN5>*@\hGShGS>*@hGShpN6@]hGShf#>*@hGShpN>*@ hGShpNhGShpN@I8rFrWrrrr?sQsjsssst`uuuuLvwwwhxx $da$gdA]$[$\$a$gdGS$[$\$a$gdA]$[$\$a$gdf#xxxMycy|ybzzzzU{{{{o|p||X}}}}}~~~$H[$\$`Ha$gdA]$[$\$a$gdA]$[$\$a$gdGSxxxxLyMyQy^ycy{y|yyazbzdzjzkz|zzzzzzz {{T{U{W{z{{{{{{{o|p||||W}X}o}p}}}}}}ккh>D#hpN56@\h>D#hpN6h>D#hpN6@mH sH !h>D#hpN56@\mH sH  hGShGShGShGS@hGShpN5>*@\hGShpN>*@hGShGS>*@hGShpN6@] hGShpNhGShpN@1}}}}}~~~~~~~~~6\fg~/0@Clmnstw|́΁Ё ϼϼϼϼϼϼπϼϼϼϨhGShGS@mH sH hGShGS>*@mH sH hGShGS5>*@\hGShpN>*@hGShGS>*@ hGShpNhGShpN6@]hGShpN@hGShGS@hGShpN5>*@\ hGShGSh>D#hpN6@2~gm|΁+#$TU/) $S`Sa$gdA]$[$\$a$gdGS$[$\$a$gdA]%&*+"#$QTU./YZ()?@ŋNjڋߋ9EnjȌڣڈڣڣ{hGShGS5>*@\hGShpN56@\]hGShpN6@]hGShpN5>*@\ hGShGSh>D#hpN6@h>D#hpN56@\hGShGS5@\ hGShpNhGShGS@mH sH hGShpN@hGShGS@0َێ܎ԒՒՓ`acdtrZx2JҹӹPQpqrABEXZ[<=@kwxù⯹hGShGS5\hGShA]5\ hGShhhGS hGShGShGShGS0J hGShA]hGShA]0J hGSh[( hGShpNCێ܎ɒՒד`abcdj $$Ifa$gdA]$ & F9D[$\$a$gdA]$h9D[$\$^ha$gdGS$ & F9D[$\$a$gdGS$9D[$\$a$gdA]jtuwaMM$$If]^a$gdA]kdL&$$If0`B# 062d34adp $$Ifa$gdA]mYY$$If]^a$gdA]kdG'$$If0`B# 062d34adpڔmYY$$If]^a$gdA]kd<($$If0`B# 062d34adpڔ۔ݔmYY$$If]^a$gdA]kd1)$$If0`B# 062d34adpmYY$$If]^a$gdA]kd&*$$If0`B# 062d34adpmYY$$If]^a$gdA]kd+$$If0`B# 062d34adp &-mYY$$If]^a$gdA]kd,$$If0`B# 062d34adp-.4AmYY$$If]^a$gdA]kd-$$If0`B# 062d34adpABl3m]rm\\HHH\\$ & F!9D[$\$a$gdGS$9D[$\$a$gdA]kd-$$If0`B# 062d34adpr!)2:Gr$ & F9D[$\$a$gdGS$ & F9D[$\$a$gdGS$ & F9D[$\$a$gdGS$ & F"$9D[$\$^$a$gdA]$ & F"9D[$\$a$gdA]$ & F"9D[$\$a$gdGS$9D[$\$a$gdA] GYkt}(/0vvv$ & F#9D[$\$a$gdGS$9D[$\$a$gdA]$ & F"9D[$\$a$gdA]$ & F 9D[$\$a$gdGS$ & F9D[$\$a$gdGS$ & F9D[$\$a$gdGS$ & F9D[$\$a$gdGS 9VSZz#9ofˬ'5$9D[$\$^a$gdGS$h9D[$\$^ha$gdGS$9D[$\$a$gdA]52L8·ڷӹѺ9%gPQqr$a$gdA]$9D[$\$^a$gdA]$ & F9D[$\$a$gdA]$9D[$\$a$gdA]r}Zkd.$$IfTFC 0 6    34ab T $$Ifa$gdA]$a$gdA] BEZ[bZZZZZZZ$a$gdA]kd/$$IfTFC 0 6    34ab T $$Ifa$gdA] [% =@m)x{ } $ & F a$gdA] $ & F a$gdA] $ & F a$gdA] $ & Fa$gdA] $ & Fa$gdA]$a$gdA]}$M|pU\!$[$\$a$gdA] $ & F a$gdA] $ & F a$gdA]$a$gdA]TUh0[\u !;,-;<HQRg+dewCDEUƿƿƿƿƿƿƿƿƵ hGSh[(hGSh[(5\ hGShA]hGShA]@hGShA]5@\hGShpN@h5@\ hGShpNhGShpN5@\C-ReDESTU{5goa$a$gdA]$[$\$a$gdA]/R#?Vy(Z\6PR~  !stuƼƼƧƣhf#hh<0JmHnHu h 0Jjh 0JUh jh U hGSh(NhGSh[(>*mH sH hGSh[(mH sH  hGSh[(hGSh[(>*7 !012DEgd[(gd[(h]hgdO &`#$gd$a$gdA]$[$\$a$gdA]EFOP_`arstu$[$\$a$gdA]gd[(gd[(gd[( 9 0&P 1h:pO. A!"n#$n% $$IfF!vh5}553#v}#v#v3:V F05}55344 FaF$$IfF!vh5}553#v}#v#v3:V F05}55344 FaF$$IfF!vh5}553#v}#v#v3:V F05}55344 FaF$$IfF!vh5}553#v}#v#v3:V F05}55344 FaF$$IfF!vh5}553#v}#v#v3:V F05}55344 FaF$$IfF!vh5}553#v}#v#v3:V F05}55344 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 535#v #v3#v:V F05 53544 FaF$$IfF!vh5 5555#v #v#v#v#v:V F0,5 555544 FaF$$IfF!vh5 5555#v #v#v#v#v:V F05 555544 FaF$$IfF!vh5 5555#v #v#v#v#v:V F05 555544 FaF$$IfF!vh5 5555#v #v#v#v#v:V F05 555544 FaF$$IfF!vh5 5555#v #v#v#v#v:V F05 555544 FaF$$IfF!vh5 5555#v #v#v#v#v:V F05 5555/ 44 FaF$$IfF!vh5 555 #v #v#v#v :V F405 555 / / 44 FaFf4$$IfF!vh5&535#v&#v3#v:V F05&53544 FaF$$IfF!vh5&535#v&#v3#v:V F05&53544 FaF$$IfF!vh5&535#v&#v3#v:V F05&53544 FaF$$IfF!vh5&535#v&#v3#v:V F05&53544 FaF$$IfF!vh5&535#v&#v3#v:V F05&53544 FaF$$IfF!vh5&535#v&#v3#v:V F05&53544 FaF$$IfF!vh5&535#v&#v3#v:V F05&53544 FaF$$IfF!vh5&535#v&#v3#v:V F05&53544 FaF$$IfF!vh5&535#v&#v3#v:V F05&53544 FaF$$IfF!vh5&535#v&#v3#v:V F05&53544 FaF$$IfF!vh5&535#v&#v3#v:V F05&53544 FaF$$IfF!vh5&535#v&#v3#v:V F05&53544 FaF$$If!vh55#v#v:V  06,5/  / 2d34adp$$If!vh55#v#v:V  065/ / 2d34adp$$If!vh55#v#v:V  065/ / 2d34adp$$If!vh55#v#v:V  065/ / 2d34adp$$If!vh55#v#v:V  065/ / 2d34adp$$If!vh55#v#v:V  065/ / 2d34adp$$If!vh55#v#v:V  065/ / 2d34adp$$If!vh55#v#v:V  065/ / 2d34adp$$If!vh55#v#v:V  065/ / 2d34adp$$If!vh555#v#v#v:V 0 6,5/ 34T$$If!vh555#v#v#v:V 0 6,5/ 34T@@@ (NNormalCJ_HaJmHsHtHD@D [(Ttulo 1$$dh@&a$5\D@D [(Ttulo 2$$dh@&a$5\X@X [(Ttulo 3$$Sx@&`Sa$5CJOJQJaJF@F [(Ttulo 4$@&5CJOJQJaJF@F [(Ttulo 5 $x@&6OJQJaJJ@J [(Ttulo 6 $x@&5CJOJQJaJ:@: [(Ttulo 7$@&5aJ>@> [(Ttulo 8$@& 5CJaJ@ @@ [(Ttulo 9 $$@&a$5aJ>A@> Fonte parg. padroTi@T  Tabela normal4 l4a ,k, Sem lista4U@4 (N Hyperlink >*phFB@F (NCorpo de textodd[$\$B^@B (N Normal (Web)dd[$\$FP@"F (NCorpo de texto 2 dx(W@1( c RForte5\VC@BV [(Recuo de corpo de textox^`R@R` [(Recuo de corpo de texto 2dx^TT f# Analtico 1 #]5;OJQJaJBB [( Analtico 2 5CJaJBB [( Analtico 3 ^CJaJDOD [( Body Text 2$`a$aJTZ@T [(Texto sem FormataoCJOJQJaJ:@: O Cabealho  8!8)@8 ONmero de pgina%/@Ru%/@RUu!"&!"&!"&!"&!"&!"&!"&!"&! "&! "&! "&! "&! "&!"&!"& "& "& "& "& "& "& "&<&j4<!GLUakud)#[u b  g   ~ g ` -\r 0Rq/Mp:Z8kR 9 %<[x'CSkl()B*>Qdfgv]z  ! B K P Q !"#-$z$%j'( **,***+-.///0222233j45566666666 7777,757:7;7J7T7Y7Z7n7x7}7~77777777777777788888858>8B8C8W8`8d8e88888888888888888888899991989<9=9R9Y9]9^9f9m9q9r999999999999999999:::(:2:7:8:9:M:N:m::<&<== >D>?? @@X@@@BVBWBpBCCCDDD(D*D+D9DCDGDQDRDSDdDnDsD}DDDDDDDDDDDDDDDDDDEEEEEE"E#E$E:EEEFEFF!GGGG HBHHHHI'IIQJ_JJK*K)L+L,L1LtLuLvLwLxLyLzLLLLLLLLLLLLLLMQdfgv]z  ! B K P Q !"#-$z$%j'( **,***+-.///0222233j45566666666 7777,757:7;7J7T7Y7Z7n7x7}7~77777777777777788888858>8B8C8W8`8d8e88888888888888888888899991989<9=9R9Y9]9^9f9m9q9r999999999999999999:::(:2:7:8:9:M:N:m::<&<== >D>?? @@X@@@BVBWBpBCCCDDD(D*D+D9DCDGDQDRDSDdDnDsD}DDDDDDDDDDDDDDDDDDEEEEEE"E#E$E:EEEFEFF!GGGG HBHHHHI'IIQJ_JJK*K)L+L,L1LtLuLvLwLxLyLzLLLLLLLLLLLLLLM0>0000000 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0000& 0& 0& 0& 0& 0& 0& 0& 0& 0& 00S)0S)0S)0S)0S)0S)0S)0S)0S)0S)00H1002020202020202020202 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 0200~90~909090~90E;0E;h0E;0~90e=h0e=0>0>80e=0T?0~90?H0?000A0A0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 0A 000iD0iD0iDX0iD0ME0ME0ME0ME0ME0ME0ME0ME0ME0ME0ME0ME0ME0ME00I0I00_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J 0_J0_J0_J0_J0_J 0S 0S 0S 0S 0S 0S 0S0S0_J 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T 0?T0?T 0?T0?T 0?T0?T 0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T0?T! 0?T! 0?T! 0?T0?T0?T0?T0?T" 0?T" 0?T" 0?T 0?T 0?T 0?T" 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T 0?T" 0?T" 0?T0?T0?T# 0?T# 0?T# 0?T00000000000000000000000000000000 0000 00 00 000000000000 0 0 0 0 0 0 0 000000000000000 000 000 000 000 000 0 0 0 0 0000 0 0 0000000000000000000000000000000000000000000I00I00I00I00I00I00@0I00@0I00I0000I0 01A000000x00%000%00%I0 y:Z8k !"#-$z$%j'(,***+-.//022V3VZVXZZF\\\\%]F]j]^g___``daaabc dEddeMeue(f4ffg,ghhEili8jWjjj?kjkkkl`mmmLnoohpppMq|qbrrrUssspttXuuuvvgwwxmyyy{+{{{#~$~T~U~/)ۆɊ׋djtuwڌی݌ &-.4ABl3m]r!)2:GYkt}(/09VSZz#9ofˤ'52L8¯گѲ9%gPqպ}ŻлٻۼEZ% @m){ }$M|pU\!-ReDv@0@0@0@0@0@0@0@0Z00Z00@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00@0(Z00Z00@0Z00Z00@o#0Z00Z00 Z0 0Z0 0@0Z0 0Z0 0@0 )nZ00Z00@0, @4Z00Z00#@0Z00Z00@tZ00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00Z00@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0 @0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0@0 $$$$$'  'K.;O`hpx}urvwyz 9'#&&&' (P(+:>?:?Y?}????@@B@d@@@@@@A >?@@VBVBC#E$EEQJQJKKSSTT V Vv  !"#$%&'()*+AA))uuL:L:l:l:%<%<>C>C>?@@oBoBD9E9EF^J^J)K)KSS5U5Uv=>=>|"=>V!ìvg!ŬvC*urn:schemas-microsoft-com:office:smarttagsmetricconverter>*urn:schemas-microsoft-com:office:smarttags PersonName 2 a3 em particular. Os ProductIDy|:NWY++++++++---&-$:&:=BABG_N_O_T_g_____` ` ```'`V`]`^`c`aaaaaaccccddddddpttttzzzzY{]{ݕuƧϧܪ#*fqcg\i8EFPu|!vrw:Y{}%.PZ[\xyEX""%%&&(7(((O*Z*+,#:&:;;>>??@@B BMMQQR,RHTUT3VXVEWWYY\\\\^^g____``aaaa*b7b|dd$e6e>h@h>jCjjjFkPkkklldnfnoopp^qbqpttvvmxnxvyyyyyzz{{||kv؁ІцЈވˉuvی܌8C{Zl¡9;ˤͤìĬJPSZشٴ ɿѿx~'w}t%3[Q!v::-\r~[Cz Q 226~77858e8899:(:M:C:EzLLLLVP^P`PxPP Qwx{EU%g!02DFNP_aqv!v#'} o*1et "h; N4Mr*l.B-8hrnPBo*1;5 Nؒu$ N4!l*7^R%,>,Iq/莨2 N4"16.R8Vb.>fREBl"(8H$P6 LX&q%@M8D*&hR xoTJ$Ur/hVDKk3['/b^dn/^޴(g`*}jpc N4m/1|t=L~~^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(hpp^p`CJOJQJ^Jo(hHo@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(h^`OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHohpp^p`OJQJo(hHh@ @ ^@ `OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHoh^`OJQJo(hHh^`OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHohPP^P`OJQJo(hH^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(opp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(h^`CJo(hH.^`CJOJQJo(pp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo( hh^h`OJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(hpp^p`CJOJQJ^Jo(hHo@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(hpp^p`CJOJQJ^Jo(hHo@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(h^`OJQJo(hHh\\^\`OJQJ^Jo(hHoh, , ^, `OJQJo(hHh  ^ `OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHoh^`OJQJo(hHhll^l`OJQJo(hHh<<^<`OJQJ^Jo(hHoh  ^ `OJQJo(hHhh^h`o(.h^`OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHohpp^p`OJQJo(hHh@ @ ^@ `OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHoh^`OJQJo(hHh^`OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHohPP^P`OJQJo(hH^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(hpp^p`CJOJQJ^Jo(hHo@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(h^`CJo(hH.^`CJOJQJo(pp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(pp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo( hh^h`OJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(opp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(pp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(h^`CJo(hH.^`CJOJQJo(pp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(opp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(h^`OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHohpp^p`OJQJo(hHh@ @ ^@ `OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHoh^`OJQJo(hHh^`OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHohPP^P`OJQJo(hH^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(opp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(88^8`o(-^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(hpp^p`CJOJQJ^Jo(hHo@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(opp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(pp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(hpp^p`CJOJQJ^Jo(hHo@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(pp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(h^`OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHohpp^p`OJQJo(hHh@ @ ^@ `OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHoh^`OJQJo(hHh^`OJQJo(hHh^`OJQJ^Jo(hHohPP^P`OJQJo(hH^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(opp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(pp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(@xh8^8`)^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(hpp^p`CJOJQJ^Jo(hHo@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(^`OJQJo(hH^`OJQJ^Jo(hHopp^p`OJQJo(hH@ @ ^@ `OJQJo(hH^`OJQJ^Jo(hHo^`OJQJo(hH^`OJQJo(hH^`OJQJ^Jo(hHoPP^P`OJQJo(hHh^`CJo(hH.^`CJOJQJo(pp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(opp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(pp^p`CJOJQJo(@ @ ^@ `CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(^`CJOJQJo(PP^P`CJOJQJo(#;xoT~~!l*Iq/%@M/hV>,.>m/1|et  L"16'/b^R%,MEBPB} $UA R8(g`-8k3[/^;5 A lA rA 'A &hR(8H2u$pc##  TGk$mf-4>rFoi6dxb>rF Ny-bL]q6WTGk$JHZuv_)ndxb-bLm)n)nf-4 Nyoi6>D#f#[(n9EEpNrOc RGS^ .d?(NA]05 $O<~fgz  ! B K P Q */2266666666 7777,757:7;7J7T7Y7Z7n7x7}7~77777777777777788888858>8B8C8W8`8d8e88888888888888888888899991989<9=9R9Y9]9^9f9m9q9r999999999999999999:::(:2:7:8:WBCCCDDD(D*D+D9DCDGDQDRDSDdDnDsD}DDDDDDDDDDDDDDDDDDEEEEEE"E#E`PjPuPwPxPPPPPPPPPPPPPPQ Q Q4 3qHX)?(N25DEMONSTRAES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXAUsuario Professores-1#                           ! " Oh+'0   8D d p |8DEMONSTRAES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXAUsuario Normal.dotProfessores-112Microsoft Office Word@o@U@c7"Ÿ՜.+,0$ hp  casao 6DEMONSTRAES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA Ttulo  !"#$%&'()*+,-./0123456789:;<=>?@ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ[\]^_`abcdefghijklmnopqrstuvwxyz{|}~      !"#$%&'()*+,-./0123456789:;<=>?@ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ[\]^_`abcdefghijklmnopqrstuvwxyz{|}~Root Entry F`UڳcData g01TableSWordDocument;SummaryInformation(DocumentSummaryInformation8CompObju  F#Documento do Microsoft Office Word MSWordDocWord.Document.89q